terça-feira, 23 de dezembro de 2014

choro as palavras que não consigo dizer.no implacável vazio que plantei não pode brotar palavras doces dizendo do amor que presencio.distancio em longínqua solidão enquanto a vida vai repetindo diante dos meus olhos as lições do amor que não quero crer, no entanto, não é nada disso que eu queria dizer, na busca pelo silêncio emudeci a tal ponto , que qualquer e toda palavra parece banal diante dos fatos, todo e qualquer poema parece pequeno diante de tanta poesia.toda e qualquer palavra é pouca que me arrebate desse desse vasto mundo de silêncios em que os olhos nunca se saciam  porque todo e qualquer olhar é insuficiente para captar toda a essência que há nas coisas.